terça-feira, 13 de setembro de 2011

TV Burrinho? Relação entre o formato dos cartoons e cognição infantil

A geração das pessoas que têm entre 30-40 anos tem sido chamada de "imigrantes digitais", em contraposição a seus filhos, os "nativos digitais", denotando que as crianças tipicamente começam a ser expostas à TV com menos de 1 ano hoje, assistindo uma média de 6-8 horas de TV ao dia (dados dos EUA). Seus pais, ao contrário, tiveram contato com a TV bem mais velhos e foram expostos a uma quantidade bem menor de horas-dia de programação na infância. Os chamados "nativos digitais" praticamente já nascem vendo TV. Há muito tempo questiona-se o possível impacto desta exposição no desenvolvimento cognitivo infantil. Vários mitos se formaram nos últimos anos, um dos mais comuns sendo o de que "a TV vai te deixar burro, menino", que virou letra de um hit dos Titãs nos anos 80 (Televisão - album homônimo). Apesar de que alguns estudos tentaram explorar esta questão, nenhuma evidência científica concreta existe. Digo, existia. Um trabalho publicado este mês no jornal científico Pediatrics traz os resultados de um experimento que testou a influência do formato de mídia de cartoons num teste cognitivo em crianças. Crianças em idade escolar foram expostas à sequências breves (9 min) de cartoons de ritmo rápido (frenéticos e com mudança rápida de cenas, comuns em canais especializados em desenhos animados, como o Cartoon Network). Os grupos controles foram expostos a sequências igualmente breves de programas infantis educativos (como Vila Sésamo) ou a uma tarefa de desenho à mão. Logo em seguida, as crianças realizaram um teste de habilidade executiva, que avalia a capacidade de atenção. Resultado: ocorreu um importante prejuízo da habilidade executiva em crianças que haviam acabado de assistir aos desenhos de ritmo rápido, o que não aconteceu quando o estímulo foi programa educativo ou tarefa de desenho à mão. Em outras palavras, as crianças ficaram mais dispersas, desatentas. As implicações deste estudo ainda não são claras, pois ele não avaliou o efeito a longo prazo do estímulo repetido, nem se ocorreram alterações em outras funções cognitivas. Ainda é cedo para afirmar se a música dos Titãs estava certa, mas os pais devem ficar atentos para a qualidade e quantidade dos estímulos que seus filhos estão recebendo, especialmente nesta era de "babás digitais" e de epidemia de "hiperatividade".
Leia o comentário na Pediatrics: http://bit.ly/qSzSgW

Clique aqui!

2015 A.C. Camargo academic journals acesso aberto adverse drug reactions alergia alquilantes alto custo ambiente ambientes virtuais analgésicos anomalias vasculares anti-eméticos anti-helmínticos anti-histamínico antianêmicos antiangiogênico anticâncer anticoagulantes antifúngicos antiprotozoários antivirais artemisinina arXiv asma asthma atopia atualização aula aulas auto-arquivamento avastin avermectina bevacizumab biologicals bioRxiv Blogger brain tumor bundler cancer cancerologia pediátrica Carlos Chagas carne vermelha cauterização Ceará CERN child chronic fatigue syndrome ciência ciência brasileira ciências biológicas e da saúde cientistas influentes cirurgia CLI Command Line Tools conselho internacional crime virtual CT scans Curtis Harris darbopoietina dermatite desenvolvedor diabetes dieta disautonomia dislipidemias doença renal doenças cardíacas doenças parasitárias dor DPOC eczema editoras predatórias efeitos adversos eficácia ensino e pesquisa eritropoietina erlotinib ESA escleroterapia estatinas esteróides estilo de vida exercícios F1000Research farmacogenética farmacologia fatores de crescimento fibromialgia Figshare Fisiologia e Medicina fitness flu FMJ Fortaleza fosfoetanolamina fraude acadêmica fraude eletrônica genetics GitHub glioblastoma gliomas Google Books Google mapas gordos green way Harald zur Hausen hemangiomas hemophagocytic lymphohistiocytosis High Sierra homebrew horário imagem immunology imunossupressores imunoterapia infecção urinária inibidores de ECA inibidores tirosina-quinase iniciação científica insulina irracionalismo ivermectina Jeffrey Beall Jekyll journal hijack Lectures lepra leucemia leukemia linfangiomas Mac OS Mac OS X macrophage activation syndrome magrinhas mal-formações March for Science Marcha pela Ciência medicina personalizada meta-análise Milton Santos modelos monoclonais monoclonal antibody mortalidade morte mudança Mulliken neuro-oncologia neuroblastoma neurology ngram viewer Nobel Nobel em Medicina ou Fisiologia novas drogas novos tratamentos obesidade ômega 3 open access open science OpenAIRE osteoporose Osvaldo Cruz package installer pediatria pediatric cancer pediatric tumors pediatrics peer review PeerJ personalized medicine PET/CT pharmacogenetics pharmacological treatment pharmacology plágio política de C&T posters postprints predatory publishers Preprints pressão arterial prevenção progressista projeto de pesquisa propranolol próstata publicação publicação científica publicações publication pubmed Python python 2 python 3 quimioterapia radiation radioterapia rapamycin rbenv recidiva regressão espontânea Regulação médica repository resposta resultados retrospectiva revisão por pares risco Ruby Satoshi Ömura Scholarly Open Access science ScienceNOW seguimento selênio self-archiving sequestro de periódico científico serotonina SIDA sildenafil slides sobrevida sulfa suplementos survival tacerva targeted therapy temozolamida temozolomide terapia alternativa tireóide tratamento tuberculose tumores cerebrais tumores pediátricos vaccine vacina venv via dourada via verde virtualenv virtualenvwrapper vitamina E vitaminas William C. Campbell Xcode Youyou Tu Zenodo

Postagens populares