quinta-feira, 8 de março de 2012

Mecanismo antirrejeição - via Consulfarma

Experiência em humanos "engana" o sistema imunológico de receptores de transplantes e evita ataque aos novos órgãos. Uma outra consequência foi a diminuição a quase zero da necessidade de tomar imunossupressores para o resto da vida.
O transplante de órgãos traz vida nova a portadores de doenças crônicas, mas o preço que se paga ainda é alto. Para evitar rejeição, eles precisam tomar, durante toda a vida, medicamentos imunossupressores. Esses remédios têm uma série de efeitos colaterais, deixando o paciente, inclusive, mais suscetível a infecções e a tumores malignos. Um estudo publicado hoje na revista especializada Science Translational Medicine relata uma experiência bem-sucedida realizada em humanos, que poderá significar o fim da rotina de pílulas e mais pílulas ingeridas pelos transplantados. Os pesquisadores conseguiram, a partir de células-tronco, desenvolver uma técnica pela qual o organismo, naturalmente, se adapta ao novo órgão, sem reconhecê-lo como um intruso.
Proporcionar maior qualidade de vida após o transplante é o objeto de estudo do cirurgião Joseph Leventhal, do Northwestern Medicine Hospital, em Chicago, nos Estados Unidos, há mais de uma década. Ele se dedica a pesquisar maneiras de evitar que o corpo do receptor rejeite o novo órgão, sem a necessidade de se tomar imunossupressores por longos períodos. “Pense em uma criança que recebe um transplante. Ela tem a vida toda pela frente, o que faz com que os efeitos tóxicos desses medicamentos se acumulem por muito tempo. O risco que, mais tarde, ela tenha um câncer, por exemplo, é imenso, pois esse é um dos efeitos colaterais dos imunossupressores. Por isso, quando temos um candidato a receber o transplante, sempre pesamos os benefícios potenciais e os malefícios que o pós-operatório pode trazer”, explica.
Diretor do programa de transplante renal da Universidade de Northwestern, Leventhal uniu seus conhecimentos ao da cientista Suzanne Ildstad, chefe do Instituto de Terapias Celulares da Universidade de Louisville (também nos EUA). Ela é uma das mais reconhecidas pesquisadoras mundiais na área de células-tronco e, em 1994, descobriu raras estruturas presentes na medula óssea, as células facilitadoras, que ajudam a evitar a doença do enxerto contra o hospedeiro, como é chamada a rejeição de órgãos transplantados. “O que muitas pessoas não sabem é que, depois de um transplante, o receptor tem de tomar entre 20 e 25 pílulas por dia. A vida dos pacientes transplantados, atualmente, não é fácil”, reconhece Ildstad.
A médica afirma que as pesquisas no campo de transplantes têm se focado em métodos que “enganem” o sistema imunológico do receptor. “O que tentamos fazer é que o organismo do paciente ache que aquele novo órgão é algo bom e, assim, não tente expulsá-lo. Na nossa pesquisa, em particular, acreditamos no potencial das células facilitadoras como agentes da tolerância nos transplantes. Outra área onde essa tecnologia poderá ter grande impacto é a de reconstituição do tecido de queimados, algo que pode beneficiar milhões de pessoas em todo o mundo”, destaca. Ildstad diz que o método poderá ser útil, ainda, no tratamento de doenças autoimunes, quando o corpo rejeita suas próprias estruturas e começa a se atacar.
Compatibilidade
Com Leventhal, Suzanne Ildstad coordenou uma equipe multidisciplinar formada por 55 pesquisadores de oito diferentes instituições para desenvolver a nova técnica, que já está na fase 2 de estudos. Depois de bem-sucedido em modelos animais, o procedimento foi testado em pacientes humanos para checar a segurança.
Na pesquisa, oito pacientes com idades entre 29 e 59 anos, todos portadores de doenças renais crônicas, receberam do doador não apenas um rim, mas parte de seu sistema imunológico. A ideia dos cientistas era alcançar o quimerismo completo pós-transplante, entre pessoas com mesmo tipo sanguíneo, mas sem a necessidade de compartilhar os mesmos antígenos leucocitários humanos. Essas proteínas contidas na superfície celular fazem com que dois tecidos sejam compatíveis imunologicamente. O paciente e o doador, porém, precisam fazer um teste chamado crossmatch, para checar se o receptor não tem antígenos que rejeitem as células do órgão que vai receber.
Geradas na medula óssea, as células-tronco escapam do tecido gelatinoso e podem ser coletadas no sangue do doador. Antes do transplante, os médicos retiraram essas estruturas e as misturaram a células-tronco facilitadoras. A essa altura, o receptor já passa por um tratamento para esvaziar parte do tutano e, dessa forma, ter espaço para que as células-tronco da medula do doador possam crescer e se desenvolver (veja infografia). “O que buscamos nesse protocolo foi reeducar o sistema imunológico do receptor, de forma que as suas células e as do doador pudessem coexistir em harmonia. Assim, o órgão transplantado não é rejeitado e, ao mesmo tempo, não há necessidade de se tomarem remédios que inibam essa rejeição”, explica Leventhal.
Dos oito pacientes que se submeteram à técnica, aplicada entre 2009 e 2010, todos antingiram o quimerismo em um mês. Cinco não tomavam mais medicamentos à época da redação do artigo, e os outros três precisaram continuar com os imunossupressores, mas em doses menores. “Mesmo um ano depois que os cinco pacientes pararam de usar os remédios, exames na medula óssea mostram que o quimerismo era de 100%, e esse é um resultado extremamente animador”, conta Leventhal. Ele reconhece que o número de pessoas submetidas à técnica é pequeno, mas está entusiasmado com o potencial do transplante duplo. O próximo passo, segundo o pesquisador, é testar se o sucesso se aplica também a pessoas que já fizeram o transplante de rim.
Em uma análise perspectiva escrita para a Science Translational Magazine, James F. Markmann e Tatsuo Kawai, do Hospital Geral de Massachusetts, em Boston, consideram “fascinante” a pesquisa de Leventhal e Ildstad. “Se os resultados se sustentarem e se expandirem em número, eles podem ter um enorme impacto no transplante de órgãos sólidos”, escreveram. “Muitas coisas ainda têm de ser aperfeiçoadas, mas, nos últimos 50 anos, nenhuma outra técnica de transplante foi tão promissora quanto essa.”
Coexistência
Quimerismo é a condição na qual as células do doador e do receptor coexistem, um pré-requisito para o sucesso de um transplante de órgão. As células-tronco podem, no lugar dos imunossupressores, desenvolver esse papel, de acordo com o novo estudo.
Conscientização
Hoje é comemorado o dia mundial do rim, data que pretende conscientizar as pessoas sobre a importância da prevenção e do tratamento de doenças renais. Em Brasília, a Unidade de Nefrologia do Hospital Regional de Taguatinga (HRT) programou uma série de atividades, que ocorrem entre 8h e 17h. A iniciativa conta com a parceria da Sociedade Brasileira de Nefrologia.

Fonte: CORREIO BRASILIENSE

Link para o post original: http://bit.ly/FQ23yO
Consulfarma - Notícias - Mecanismo antirrejeição.

Clique aqui!

2015 A.C. Camargo academic journals acesso aberto adverse drug reactions alergia alquilantes alto custo ambiente analgésicos anomalias vasculares anti-eméticos anti-helmínticos anti-histamínico antianêmicos antiangiogênico anticâncer anticoagulantes antifúngicos antiprotozoários antivirais artemisinina arXiv asma asthma atopia atualização aula aulas auto-arquivamento avastin avermectina bevacizumab biologicals bioRxiv Blogger brain tumor cancer cancerologia pediátrica Carlos Chagas carne vermelha cauterização Ceará child chronic fatigue syndrome ciência ciência brasileira ciências biológicas e da saúde cientistas influentes cirurgia CLI conselho internacional crime virtual CT scans Curtis Harris darbopoietina dermatite diabetes dieta disautonomia dislipidemias doença renal doenças cardíacas doenças parasitárias dor DPOC eczema editoras predatórias efeitos adversos eficácia ensino e pesquisa eritropoietina erlotinib ESA escleroterapia estatinas esteróides estilo de vida exercícios F1000Research farmacogenética farmacologia fatores de crescimento fibromialgia Figshare Fisiologia e Medicina fitness flu FMJ fosfoetanolamina fraude acadêmica fraude eletrônica genetics glioblastoma gliomas Google Books gordos green way Harald zur Hausen hemangiomas hemophagocytic lymphohistiocytosis horário imagem immunology imunossupressores imunoterapia infecção urinária inibidores de ECA inibidores tirosina-quinase iniciação científica insulina irracionalismo ivermectina Jeffrey Beall journal hijack Lectures lepra leucemia leukemia linfangiomas Mac OS X macrophage activation syndrome magrinhas mal-formações March for Science Marcha pela Ciência medicina personalizada meta-análise Milton Santos modelos monoclonais monoclonal antibody mortalidade morte mudança Mulliken neuro-oncologia neuroblastoma neurology ngram viewer Nobel Nobel em Medicina ou Fisiologia novas drogas novos tratamentos obesidade ômega 3 open access osteoporose Osvaldo Cruz pediatria pediatric cancer pediatric tumors pediatrics peer review PeerJ personalized medicine PET/CT pharmacogenetics pharmacological treatment pharmacology plágio política de C&T posters postprints predatory publishers Preprints pressão arterial prevenção progressista projeto de pesquisa propranolol próstata publicação publicação científica publicações publication pubmed Python quimioterapia radiation radioterapia rapamycin recidiva regressão espontânea resposta resultados retrospectiva revisão por pares risco Satoshi Ömura Scholarly Open Access science ScienceNOW seguimento selênio self-archiving sequestro de periódico científico serotonina SIDA sildenafil slides sobrevida sulfa suplementos survival tacerva targeted therapy temozolamida temozolomide terapia alternativa tireóide tratamento tuberculose tumores cerebrais tumores pediátricos vaccine vacina via dourada via verde vitamina E vitaminas William C. Campbell Youyou Tu

Postagens populares