quarta-feira, 7 de março de 2012

Droga para Alzheimer pode render bilhões - via Consulfarma

 Grandes farmacêuticas têm batalhado há anos para desenvolver um medicamento que interrompa o progresso do mal de Alzheimer, uma doença neurológica terrível que começa com perda de memória e inexoravelmente rouba as funções cerebrais do paciente, levando à demência e morte. Conseguir a droga teria um enorme impacto na sociedade e ajudaria a conter o custo da crescente população de pacientes de Alzheimer, estimada em 26 milhões de pessoas em todo o mundo.

Também haveria um impacto enorme sobre a saúde da indústria farmacêutica, que tem suado para substituir o faturamento perdido com a expiração de patentes de alguns dos remédios que mais vendem. Dois compostos, agora em testes clínicos de última etapa, têm o potencial para isso. Há quem ache que um tratamento de sucesso para Alzheimer poderia gerar entre US$ 10 bilhões e US$ 20 bilhões em faturamento anual.

Resultados desses testes para o solanezumab, desenvolvido pela Eli Lilly & Co., e para o bapineuzumab, desenvolvido pela Pfizer Inc., pela Elan Corp. PLC e pela Johnson & Johnson, devem sair no terceiro trimestre deste ano. Se algum desses compostos funcionar e for aprovado pela agência de vigilância sanitária dos Estados Unidos, a FDA, pode chegar ao mercado já no ano que vem. "Se essas drogas para Alzheimer forem um sucesso, elas podem se tornar o novo Lípitor", observa Tim Anderson, que cobre a indústria farmacêutica para a firma de análises Bernstein Research. Mas as chances de sucesso não são muito altas. Anderson põe a chance de sucesso para a droga da Eli Lilly em não mais do que 20%, chamando o solanezumab de "loteria" com um possível retorno graúdo. O bapineuzumab tem melhores chances, embora a maioria dos analistas ponha suas chances em menos de 50%.

Outro remédio promissor é o Gammagard, da Baxter International Inc., que mostrou resultados encorajadores num teste de Fase II e está em dois testes separados de Fase III, um dos quais deve ser concluído no ano que vem. E há várias outras drogas em testes de Fase II. Mas o bapineuzumab e o solanezumab são os mais avançados no processo.
A Eli Lilly não tem muito mais além do solanezumab com que contar. As ações do laboratório podem até subir nos próximos meses, com a expectativa de um resultado favorável dos testes.

É importante notar que provavelmente nenhum desses remédios será capaz de curar ou reverter o curso da doença. As farmacêuticas simplesmente esperam que os tratamentos adiem a evolução do Alzheimer. Mas isso já seria uma vitória diante da série de fracassos na busca por um remédio para a doença. Os tratamentos atuais, como o Aricept e o Namenda, combatem alguns sintomas da doença mas não impedem sua evolução.
"O verdadeiro objetivo do solanezumab é desacelerar o declínio", disse Eric Siemers, diretor sênior de medicina da equipe de pesquisas sobre Alzheimer da Eli Lilly, numa teleconferência com investidores patrocinada pela Bernstein em dezembro.

Mesmo assim, um produto aprovado pela FDA que consiga retardar os efeitos da doença tem o potencial de gerar receita anual de bilhões de dólares, diante do desespero dos pacientes de Alzheimer e de suas famílias. A maioria dos pacientes tem mais de 65 anos. O número mundial de pessoas com Alzheimer pode chegar a 100 milhões em 2050. O custo de tratar os pacientes atuais é calculado em US$ 150 bilhões por ano.

A doença, porém, apesar de atingir pessoas no mundo todo, ainda não é totalmente compreendida pelos cientistas, o que complica a formulação de qualquer tratamento. Entre os mistérios que persistem estão a causa do Alzheimer e o que provoca sua disseminação no cérebro e a morte das células nervosas. "É muito diferente da diabetes ou da hipertensão", diz Arnold. "Há um grande debate entre os especialistas sobre como a doença evolui e produz seus sintomas. Você pode ouvir cinco hipóteses diferentes se conversar com acadêmicos e formadores de opinião."

O mal de Alzheimer geralmente é diagnosticado com base em dois testes clínicos, um de cognição e outro de tarefas cotidianas. Os pacientes com Alzheimer perdem em média quatro pontos por ano no teste cognitivo (a escala tem 70 pontos).
Um exemplo da dificuldade de tratar a doença é a declaração dos cien
tistas da Eli Lilly de que ficarão felizes se o remédio deles conseguir reduzir a deterioração em um terço, de seis pontos para quatro pontos nos 18 meses dos testes clínicos da Fase III.

Leia o texto completo neste link: http://bit.ly/ywKoS4

Consulfarma - Notícias - Droga para Alzheimer pode render bilhões.

Clique aqui!

2015 A.C. Camargo academic journals acesso aberto adverse drug reactions alergia alquilantes alto custo ambiente analgésicos anomalias vasculares anti-eméticos anti-helmínticos anti-histamínico antianêmicos antiangiogênico anticâncer anticoagulantes antifúngicos antiprotozoários antivirais artemisinina arXiv asma asthma atopia atualização aula aulas auto-arquivamento avastin avermectina bevacizumab biologicals bioRxiv Blogger brain tumor cancer cancerologia pediátrica Carlos Chagas carne vermelha cauterização Ceará child chronic fatigue syndrome ciência ciência brasileira ciências biológicas e da saúde cientistas influentes cirurgia CLI conselho internacional crime virtual CT scans Curtis Harris darbopoietina dermatite diabetes dieta disautonomia dislipidemias doença renal doenças cardíacas doenças parasitárias dor DPOC eczema editoras predatórias efeitos adversos eficácia ensino e pesquisa eritropoietina erlotinib ESA escleroterapia estatinas esteróides estilo de vida exercícios F1000Research farmacogenética farmacologia fatores de crescimento fibromialgia Figshare Fisiologia e Medicina fitness flu FMJ fosfoetanolamina fraude acadêmica fraude eletrônica genetics glioblastoma gliomas Google Books gordos green way Harald zur Hausen hemangiomas hemophagocytic lymphohistiocytosis horário imagem immunology imunossupressores imunoterapia infecção urinária inibidores de ECA inibidores tirosina-quinase iniciação científica insulina irracionalismo ivermectina Jeffrey Beall journal hijack Lectures lepra leucemia leukemia linfangiomas Mac OS X macrophage activation syndrome magrinhas mal-formações March for Science Marcha pela Ciência medicina personalizada meta-análise Milton Santos modelos monoclonais monoclonal antibody mortalidade morte mudança Mulliken neuro-oncologia neuroblastoma neurology ngram viewer Nobel Nobel em Medicina ou Fisiologia novas drogas novos tratamentos obesidade ômega 3 open access osteoporose Osvaldo Cruz pediatria pediatric cancer pediatric tumors pediatrics peer review PeerJ personalized medicine PET/CT pharmacogenetics pharmacological treatment pharmacology plágio política de C&T posters postprints predatory publishers Preprints pressão arterial prevenção progressista projeto de pesquisa propranolol próstata publicação publicação científica publicações publication pubmed Python quimioterapia radiation radioterapia rapamycin recidiva regressão espontânea resposta resultados retrospectiva revisão por pares risco Satoshi Ömura Scholarly Open Access science ScienceNOW seguimento selênio self-archiving sequestro de periódico científico serotonina SIDA sildenafil slides sobrevida sulfa suplementos survival tacerva targeted therapy temozolamida temozolomide terapia alternativa tireóide tratamento tuberculose tumores cerebrais tumores pediátricos vaccine vacina via dourada via verde vitamina E vitaminas William C. Campbell Youyou Tu

Postagens populares