segunda-feira, 12 de março de 2012

Aspirina modificada pode ser a nova arma contra o câncer - via Consulfarma

Segundo cientistas nova-iorquinos, ela poderia chegar a substituir remédios tradicionais.
NOVA YORK — A aspirina, quem diria, que já ficou famosa por ajudar a prevenir problemas cardiovasculares, está prestes a ganhar um papel importante também na luta contra o câncer. Cientistas da The City College, uma universidade de Nova York, desenvolveram um novo composto à base da droga que, a médio prazo, pode se tornar uma poderosa arma contra o câncer, e bem mais segura do que os remédios usados atualmente para tratar a doença.
Já havia indícios de que a aspirina poderia ajudar no combate ao câncer; o problema eram os graves efeitos colaterais que sua utilização para este fim poderia causar. As modificações realizadas em sua composição, porém, parecem fazer os efeitos adversos desaparecerem, além de tornarem a droga bem mais potente.
A equipe da Escola Biomédia Sophie Davis, instalada na The City College, relatou que a nova aspirina inibiu o crescimento de 11 diferentes tipos de células cancerígenas em cultura, sem prejudicar as células saudáveis ao seu redor. Entre elas, estavam células causadoras dos cânceres de cólon, pâncreas, pulmão, próstata e mama, além de leucemia.
— Os componentes-chaves deste novo composto são muito, muito potentes, e ainda tem toxicidade mínima para as outras células — disse o professor associado Khosrow Kashfi, principal responsável pela pesquisa.
O composto de aspirina também reduziu tumores de cóloln em 85% em animais, sem efeitos adversos.
— Se o que vimos em animais puder ser transporto para homens, (o composto) poderia ser usado junto com outros remédios antes da quimioterapia ou de uma cirurgia — explicou Kashfi.
Usada principalmente como analgésicos, a aspirina e outras drogas chamadas anti-inflamatórias não esteroidais (Aines), como o ibuprofeno e o naproxeno, são conhecidos por sua capacidade de reduzir inflamações. Nos anos 1980, concluiu-se que uma aspirina por dia é capaz de diminuir os riscos de infarto e derrame. Estudos mais recentes demonstraram sua potencialidade também para inibir o desenvolvimento de câncer.
— Há muitos dados mostrando que, quando tomada regularmente, a aspirina reduz o risco de câncer de cólon em 50% — lembrou o professor Kashfi.
O problema é que o uso prolongado desta droga tem seus próprios riscos: os efeitos colaterais vão de úlceras hemorrágicas a falência dos rins. Para contornar a situação, os pesquisdores criaram um híbrido de duas formulações antigas, que chamaram de Nosh-aspirina. Eles usaram a aspirina como um suporte para duas moléculas que comprovadamente aumentam sua segurança e sua potência.
Uma delas, o óxido nítrico, ajuda a proteger o estômago. A outra é o sulfeto de hidrogênio, que, já se sabia, aumenta a capacidade da aspirina de combater o câncer. Os pesquisadores suspeitam de que o composto híbrido seria mais eficaz do que apenas uma das drogas isoladamente para elevar o potencial da aspirina contra a doença: apenas 24 horas depois de usada contra culturas de células cancerosas, a Nosh-aspirina demonstrou ser cem mil vezes mais potente que a aspirina comum.
— O híbrido é muito mais potente: 72 horas depois, ele já tinha 250 mil vezes mais força que a aspirina comum contra células humanas de câncer de cólon in vitro. Então, você precisa de uma quantidade menor para obter o mesmo resultado — afirmou Kashfi, o que leva a concluir que, usando doses menores, seria possível conseguir o efeito desejado contra o câncer minimizando ou eliminando efeitos colaterais.
O híbrido também mostrou ser 15 mil vezes mais potente do que a já conhecida No-aspirina e o equivalente a 80 vezes mais forte do que o composto que incorpora H{-2}S.
Na segunda parte do trabalho, quando ratos portadores de células humanas causadoras dos tumores de cólon receberam Nosh-aspirina oralmente, o composto destruiu células, inibiu sua proliferação e reduziu significativamente o crescimento do tumor, sem que houvesse qualquer sinal de toxicidade nos animais.
A expectativa é de que se possa criar uma droga baseada na Nosh-aspirina. Kashfi, porém, observa que os próximos passos serão testes de toxicidade e ensaios clínicos, e que a possibilidade de um tratamento deste tipo passar a ser oferecido em hospitais e consultórios ainda pode demorar anos até se tornar realidade.
Os estudos foram financiados pelo Instituto Nacional do Câncer e pela Fundação Nacional de Ciência americanos. A equipe, agora, apresentará suas descobertas no evento anual promovido pela Associação Americana para a Pesquisa do Câncer, a ser realizado no fim do mês, em Chicago.

Fonte: O GLOBO – RJ 

Link para o post original: http://bit.ly/FQFEMZ
Consulfarma - Notícias - Aspirina modificada pode ser a nova arma contra o câncer.

Clique aqui!

2015 A.C. Camargo academic journals acesso aberto adverse drug reactions alergia alquilantes alto custo ambiente analgésicos anomalias vasculares anti-eméticos anti-helmínticos anti-histamínico antianêmicos antiangiogênico anticâncer anticoagulantes antifúngicos antiprotozoários antivirais artemisinina arXiv asma asthma atopia atualização aula aulas auto-arquivamento avastin avermectina bevacizumab biologicals bioRxiv Blogger brain tumor cancer cancerologia pediátrica Carlos Chagas carne vermelha cauterização Ceará child chronic fatigue syndrome ciência ciência brasileira ciências biológicas e da saúde cientistas influentes cirurgia CLI conselho internacional crime virtual CT scans Curtis Harris darbopoietina dermatite diabetes dieta disautonomia dislipidemias doença renal doenças cardíacas doenças parasitárias dor DPOC eczema editoras predatórias efeitos adversos eficácia ensino e pesquisa eritropoietina erlotinib ESA escleroterapia estatinas esteróides estilo de vida exercícios F1000Research farmacogenética farmacologia fatores de crescimento fibromialgia Figshare Fisiologia e Medicina fitness flu FMJ fosfoetanolamina fraude acadêmica fraude eletrônica genetics glioblastoma gliomas Google Books gordos green way Harald zur Hausen hemangiomas hemophagocytic lymphohistiocytosis horário imagem immunology imunossupressores imunoterapia infecção urinária inibidores de ECA inibidores tirosina-quinase iniciação científica insulina irracionalismo ivermectina Jeffrey Beall journal hijack Lectures lepra leucemia leukemia linfangiomas Mac OS X macrophage activation syndrome magrinhas mal-formações March for Science Marcha pela Ciência medicina personalizada meta-análise Milton Santos modelos monoclonais monoclonal antibody mortalidade morte mudança Mulliken neuro-oncologia neuroblastoma neurology ngram viewer Nobel Nobel em Medicina ou Fisiologia novas drogas novos tratamentos obesidade ômega 3 open access osteoporose Osvaldo Cruz pediatria pediatric cancer pediatric tumors pediatrics peer review PeerJ personalized medicine PET/CT pharmacogenetics pharmacological treatment pharmacology plágio política de C&T posters postprints predatory publishers Preprints pressão arterial prevenção progressista projeto de pesquisa propranolol próstata publicação publicação científica publicações publication pubmed Python quimioterapia radiation radioterapia rapamycin recidiva regressão espontânea resposta resultados retrospectiva revisão por pares risco Satoshi Ömura Scholarly Open Access science ScienceNOW seguimento selênio self-archiving sequestro de periódico científico serotonina SIDA sildenafil slides sobrevida sulfa suplementos survival tacerva targeted therapy temozolamida temozolomide terapia alternativa tireóide tratamento tuberculose tumores cerebrais tumores pediátricos vaccine vacina via dourada via verde vitamina E vitaminas William C. Campbell Youyou Tu

Postagens populares