sábado, 9 de maio de 2009

Alto preço dos medicamentos anticâncer orais diminui aderência dos pacientes

Agentes quimioterápicos anticâncer de administração oral estão se tornando cada vez mais disponíveis e apresentam para os pacientes e seus médicos opções de tratamento mais cômodas, não invasivas. Um problema que tem se tornado frequente, no entanto, é a falta de adesão ao tratamento devido ao alto custo das medicações! Essa notícia não vem de países como o nosso, onde os pacientes ainda têm acesso restrito a essas novas drogas, mas dos Estados Unidos! Isso tem ocorrido por que as empresas de saúde americanas não cobrem o custo completo de tratamentos com medicações orais, como fazem com medicamentos de administração EV. O resultado é que os pacientes precisam desembolsar centenas a milhares de dólares por mês pelos seus tratamentos. Isto está prejudicando os pacientes. Enquanto alguns deles não estão conseguindo usar as medicações dentro dos protocolos programados, outros pacientes acabam tendo que optar por formas de tratamento convencionais, às vezes menos eficazes. O fato é que o preço dos quimioterápicos anticâncer subiu consideravelmente desde 1996. Exemplos recentes: o custo anual médio de lenalidomida para um paciente com mieloma múltiplo é estimado em U$74000, enquanto o custo anual médio de imatinib para pacientes com leucemia mielóide crônica não sai por menos que U$57000. Esses custos têm que ser pagos, na sua maioria, com recursos do paciente. Isso diminui ainda mais a aderência dos pacientes à medicação. Quimioterápicos anticâncer orais, surpreendentemente para muitos, mostraram uma aderência mais baixa que a QT venosa, mesmo sem contar o alto custo. Isso, à primeira vista, pode parecer contraditório, mas resulta de múltiplos fatores, entre eles o fato de que o tratamento venoso é administrado em ambiente hospitalar ou clínico controlado, mediante agendamento de consultas. Já os medicamentos orais são de auto-administração pelo paciente, no seu ambiente domiciliar. Além disso, as drogas orais têm muitos efeitos colaterais desagradáveis, mesmo que diferentes daqueles efeitos das drogas venosas. Isso reduz a vontade do paciente de aderir ao tratamento. Soma-se a isso tudo o fato de que o custo pesa muito no orçamento familiar dos pacientes e temos aí uma receita para falha terapêutica e pior qualidade de vida dos pacientes. Para ler mais sobre isso: acesse aqui.

Clique aqui!

2015 A.C. Camargo academic journals acesso aberto adverse drug reactions alergia alquilantes alto custo ambiente analgésicos anomalias vasculares anti-eméticos anti-helmínticos anti-histamínico antianêmicos antiangiogênico anticâncer anticoagulantes antifúngicos antiprotozoários antivirais artemisinina arXiv asma asthma atopia atualização aula aulas auto-arquivamento avastin avermectina bevacizumab biologicals bioRxiv Blogger brain tumor cancer cancerologia pediátrica Carlos Chagas carne vermelha cauterização Ceará child chronic fatigue syndrome ciência ciência brasileira ciências biológicas e da saúde cientistas influentes cirurgia CLI conselho internacional crime virtual CT scans Curtis Harris darbopoietina dermatite diabetes dieta disautonomia dislipidemias doença renal doenças cardíacas doenças parasitárias dor DPOC eczema editoras predatórias efeitos adversos eficácia ensino e pesquisa eritropoietina erlotinib ESA escleroterapia estatinas esteróides estilo de vida exercícios F1000Research farmacogenética farmacologia fatores de crescimento fibromialgia Figshare Fisiologia e Medicina fitness flu FMJ fosfoetanolamina fraude acadêmica fraude eletrônica genetics glioblastoma gliomas Google Books gordos green way Harald zur Hausen hemangiomas hemophagocytic lymphohistiocytosis horário imagem immunology imunossupressores imunoterapia infecção urinária inibidores de ECA inibidores tirosina-quinase iniciação científica insulina irracionalismo ivermectina Jeffrey Beall journal hijack Lectures lepra leucemia leukemia linfangiomas Mac OS X macrophage activation syndrome magrinhas mal-formações March for Science Marcha pela Ciência medicina personalizada meta-análise Milton Santos modelos monoclonais monoclonal antibody mortalidade morte mudança Mulliken neuro-oncologia neuroblastoma neurology ngram viewer Nobel Nobel em Medicina ou Fisiologia novas drogas novos tratamentos obesidade ômega 3 open access osteoporose Osvaldo Cruz pediatria pediatric cancer pediatric tumors pediatrics peer review PeerJ personalized medicine PET/CT pharmacogenetics pharmacological treatment pharmacology plágio política de C&T posters postprints predatory publishers Preprints pressão arterial prevenção progressista projeto de pesquisa propranolol próstata publicação publicação científica publicações publication pubmed Python quimioterapia radiation radioterapia rapamycin recidiva regressão espontânea resposta resultados retrospectiva revisão por pares risco Satoshi Ömura Scholarly Open Access science ScienceNOW seguimento selênio self-archiving sequestro de periódico científico serotonina SIDA sildenafil slides sobrevida sulfa suplementos survival tacerva targeted therapy temozolamida temozolomide terapia alternativa tireóide tratamento tuberculose tumores cerebrais tumores pediátricos vaccine vacina via dourada via verde vitamina E vitaminas William C. Campbell Youyou Tu

Postagens populares