quarta-feira, 19 de março de 2014

O Tratamento de Hemangiomas Há 200 Anos Atrás





Figuras retiradas do livro Mulliken & Young's Vascular Anomalies, Hemangiomas and Malformations, 2 ed., Oxford University Press, 2013 (protegidas por direitos autorais).
O professor John B. Mulliken, considerado uma das maiores autoridades em anomalias vasculares do mundo e discípulo de Judah Folkman (1933-2008), o descobridor da angiogênese, nos mostra, na introdução do capítulo sobre tratamento de hemangiomas, um interessante histórico. Logo no começo, ele avisa: "o hemangioma vermelho brilhante de rápido crescimento nos leva a tomar uma providência, a fazer algo, qualquer coisa". Assim, a ansiedade relacionada com esta lesão ordinariamente benigna e que não requer tratamento na maioria dos casos (sabemos bem hoje) sempre levou mães e médicos ansiosos a tentar as mais estapafúrdias terapias possíveis. No século XVIII, era comum a "queimação" com "ferro quente" (cautério), ou ainda a extirpação cirúrgica de lesões que, muitas vezes, regrediriam espontaneamente. Vários casos de hemorragias graves com óbito de crianças com hemangiomas, mesmo pequenos, foram descritas na literatura antiga, como resultado de técnicas abstrusas de tratamento. 
Relatos mostram que desde os anos 1500 se realizavam extirpações cirúrgicas de hemangiomas em pequenos pacientes. Numa das passagens, o Dr. Mulliken descreve: "Daniel Turner (...), precursor da dermatologia (...), [em 1714] recomendou o "ferro quente" para um (...) caso, uma jovem empregada com uma "marca em forma de lagosta" na bochecha. Amedrontada, a garota tomou a sábia decisão de procurar outra opinião". Citando W. A. Lister (1938): "toda a nossa atitude em relação ao tratamento dos nevos em morango [strawberry - hemangiomas] deve se basear no conhecimento de sua invariável tendência à regressão espontânea". Mesmo hoje em dia, mães ansiosas devido à marca vermelho-vivo, usualmente na face de seus bebês, procuram "cirurgia", alheias ao grande risco que estão oferecendo a seus filhos. Cabe aos profissionais de hoje esclarecer adequadamente as mães e, nos casos que necessitem, encaminhar a um especialista em anomalias vasculares. 
Ainda é preocupante a tendência de alguns médicos de voltar aos velhos tratamentos de 200 anos atrás, como a cauterização (até recentemente realizada esporadicamente com bisturi elétrico). A cauterização, deve-se frisar, seja com que instrumento for, é totalmente contra-indicada, pois, além de vários riscos associados à anatomia do local de surgimento do hemangioma, deixa uma cicatriz indelével para o resto da vida. 
A quem procurar quando uma criança tem um hemangioma? Os maiores especialistas nestas lesões são os cirurgiões plásticos (como o dr. Mulliken), os onco-hematologistas pediátricos (como a dra. Adams, outra das maiores autoridades mundiais) e os dermatologistas (como a dra. Leauté-Labréze, a qual descobriu recentemente o uso de propranolol para hemangiomas). Todos os médicos, porém, podem e devem ter noções gerais sobre anomalias vasculares, incluindo quando referir para um especialista.




Essa imagem parcial, retirada do capítulo do dr. Mulliken, mostra uma jovem que desenvolveu um grande hemangioma infantil na face. O seguimento, ABSOLUTAMENTE SEM NENHUM TRATAMENTO, é testemunho de que a regressão espontânea dos hemangiomas, que pode demorar vários anos, muitas vezes não deixa nenhuma marca posterior.

Clique aqui!

adverse drug reactions alergia alquilantes alto custo ambiente analgésicos anti-eméticos anti-helmínticos anti-histamínico antiangiogênico antianêmicos anticoagulantes anticâncer antifúngicos antiprotozoários antivirais asma asthma atopia aulas avastin bevacizumab biologicals brain tumor cancer carne vermelha child chronic fatigue syndrome ciência CT scans darbopoietina dermatite diabetes dieta disautonomia dislipidemias doença renal doenças cardíacas dor DPOC eczema efeitos adversos eritropoietina erlotinib ESA estatinas esteróides estilo de vida exercícios farmacogenética farmacologia fatores de crescimento fibromialgia fitness flu FMJ genetics glioblastoma gordos hemangiomas hemophagocytic lymphohistiocytosis horário imagem immunology imunossupressores imunoterapia infecção urinária inibidores de ECA inibidores tirosina-quinase insulina Lectures lepra leucemia leukemia macrophage activation syndrome magrinhas mal-formações medicina personalizada modelos monoclonais monoclonal antibody mortalidade morte mudança neuroblastoma neurology novas drogas novos tratamentos obesidade osteoporose pediatria pediatric cancer pediatric tumors pediatrics personalized medicine PET/CT pharmacogenetics pharmacological treatment pharmacology pressão arterial prevenção propranolol próstata publicações pubmed quimioterapia radiation radioterapia rapamycin recidiva resposta risco science ScienceNOW seguimento selênio serotonina SIDA sobrevida sulfa suplementos survival tacerva targeted therapy temozolamida temozolomide tireóide tuberculose tumores cerebrais tumores pediátricos vaccine vacina vitamina E vitaminas ômega 3

Postagens populares